Finanças, planejamento e controle



Texto básico: Provérbios 16.16

Texto devocional: Salmo 49.1-20


Versículo-chave: Provérbios 21.15

“Os planos do diligente tendem à abundância, mas a pressa excessiva, à pobreza”


Introdução


Quem nunca teve problemas financeiros? Quem nunca passou “aperto” por falta de dinheiro? Quem nunca se preocupou em ganhar dinheiro, pagar dívidas, comprar alguma coisa a mais? Se você puder responder: “Eu”, parabéns? Esses são problemas antigos, pois o ser humano insiste, muitas vezes, em dirigir a sua vida baseando-se em falsos valores e não nos valores de Deus. Há muito tempo a área financeira tem provocado inúmeros problemas:

1. Distanciamento no relacionamento conjugal;

2. Insegurança familiar;

3. Irritação, tensão, saúde afetada;

4. Mau testemunho diante da sociedade, etc.


Isto se agrava mais em nossos dias, marcados pelo consumismo, pelo materialismo, pelo viver na moda, pela procura de status, ou seja: uma vida apoiada sobre falsos valores. Que os princípios que vamos estudar hoje nos orientem na manutenção ou recuperação de uma vida financeira equilibrada!


I. O princípio da honra a Deus (Pv 3.9-10)


Certamente, o equilíbrio e a bênção na vida financeira começam pelo reconhecimento de quem Deus é. Honramos alguém quando tratamos essa pessoa conforme as expectativas dela, fazendo o que ela deseja, como ela quer. A forma como empregamos nosso dinheiro também demonstra a realidade de nosso amor por Deus. Devemos honrar a Deus com aquilo que produzimos, com integridade – “Dai a César o que é de César e a Deus o que é de Deus” (Mc 12.17) e com alegria e gratidão.


II. O princípio da dedicação no trabalho


Há um ditado popular que diz: “O trabalho enobrece o homem”. Certamente, isto exclui atividades ilícitas como tráfico de drogas, prostituição, etc. (Pv 12.12). A maneira bíblica de termos o nosso sustento é trabalhando dignamente (2Ts 3.10-12).


Há duas atitudes em relação ao trabalho (Pv 6.6-11; 12.27).

1. Diligência (Pv 6.6-8)

Este texto nos faa ainda de inteligência, integridade e iniciativa. Estas são as atitudes que Deus valoriza e quer ver reproduzidas em nosso caráter.


As vantagens:

a. Crescimento na carreira profissional, com promoções a cargos melhores (Pv 12.24).

b. Uma pessoa aplicada no seu trabalho, que não vive de sonhos e desejos distantes, alcança satisfação dos seus anseios (Pv 13.4).


2. Preguiça (Pv 6.9-11; 26.13-16; 28.19)

Encontramos algumas pessoas com tanta indisposição que nos fazem lembrar daquele personagem de desenho animado resmungando: “Ó dia, ó vida, ó azar…”. Vivem dando desculpas absurdas (um leão no caminho), não se esforçam (o máximo que fazem é virar-se na cama), e não têm iniciativa (esperam que coloquem comida na sua boca).


As consequências:

a. Para si próprio: passa fome (19.15), sofre a vontade de ter sem nunca conseguir (Pv 13.4; 21.25), perde o que tem (Pv. 10.4; 20.13), está sujeito a trabalhos menos recompensados e que exigem maior esforço físico (Pv 12.24).

b. Para os outros: quem trabalha com o preguiçoso não o suporta, nem mesmo a sua família (Pv 10.5,26).


III. O princípio da integridade e da honestidade (Pv 6.6-8)


Dizem que o autor de Sherlock Holmes, certa ocasião, escreveu um bilhete para oito de seus amigos, e era só uma brincadeira. O bilhete dizia: “Tudo foi descoberto. Fuja rapidamente”. Em menos de vinte e quatro horas, seis deles haviam fugido do país. Se você recebesse um bilhete como esse no seu trabalho, o que faria?


É possível encontrarmos pessoas dispostas a sacrificar coisas importantes como consciência limpa e o bom nome, colocando-se numa condição suspeita e de risco. Isto acontece porque possuem uma perspectiva errada dos valores de Deus (Pv 11.1; 16.11). Alguns fazem uma paráfrase e dizem: “Fé, fé, negócios à parte”. Esta dualidade não é admissível na vida cristã.


Alguém pode contra-argumentar: “Você não conhece a realidade do nosso país… Não sabe quanto é cobrado de imposto… Nem como administrar um trabalhador… Não dá para agir como a Bíblia diz”. Creia que o Deus a quem servimos é verdadeiro, poderoso, e que vale a pena viver dentro da Sua vontade (leia Pv 11.18).


IV. O princípio da adaptação (Pv 21.17; 23.20-21)


É possível que você esteja entre aqueles que nos últimos dois anos continuam ganhando quase a mesma coisa, e se tudo subiu de preço você não pode ter o mesmo padrão de vida. É preciso adaptar-se aos novos tempos rapidamente. Disponha-se a “apertar o cinto”.


1. Confie na provisão de Deus para aquilo que é básico (Pv 10.3; Mt 6.25).

2. Contente-se com o que Deus lhe dá (Pv 30.7-9; Fp 4.11-12; 1Tm 6.7-8).

Caso você não observe isso, correrá o risco de transgredir o próximo princípio.


V. O princípio do não às dívidas (Pv 22.7)


O mercado produz e tenta convencê- lo: “Você tem de comprar. Faça em 12 vezes sem juros. Alguns recebem uma carta dizendo que são clientes preferenciais. E, pior, acreditam mesmo serem preferenciais. É ordem do Senhor não devermos cousa alguma a ninguém, exceto o amor (Rm 13.8). As dívidas desgastam nossas emoções, nosso tempo, nossa família, nossa vida espiritual (cf. 2Rs 4.1-7). Por isso:

1. Evite financiamentos e empréstimos, especialmente para bens de consumo (Pv 18.9)

Hoje, se você financia um bem em 12 vezes, você paga em média 70% a mais do que ele vale. Em outras palavras, está jogando dinheiro fora. Os financiamentos para compra de imóvel e de bens duráveis devem ser analisados criteriosamente e submetidos a Deus, em oração.


2. Evite cartões de crédito

O pastor batista, Vernie Russel Jr., de Norfolk (EUA), disse que o cristão não pode servir ao Master (Senhor) e ao Mastercard ao mesmo tempo. Cuidado com os seus cartões de crédito (ou de dívida?). Se você não consegue conviver bem com eles, é melhor não tê-los.


VI. O princípio do planejamento (Pv 21.15; Lc 14.28-30)


Se você não planejar o uso do seu dinheiro e gastar conforme seus impulsos, terá problemas. Se estiver endividado, sair dessa situação começa com um bom planejamento. Em seguida, coloque-se diante do Senhor com o propósito de não contrair mais dívidas e ore por isso. Se necessário, procure ajuda do seu pastor ou de sua liderança na execução do seu planejamento.


VII. O princípio do que é necessário


Antes de comprar, faça algumas perguntas a si mesmo.

1. Eu realmente necessito do que estão me oferecendo?

2. O uso justifica a compra?

3. Tenho condições de pagar?

4. Como esse bem me ajuda a cumprir os propósitos de Deus para a minha vida?

5. Se eu não comprar, o propósito Dele estará prejudicado? Não ame e nem valorize as coisas que lhe são oferecidas como necessárias para que você tenha apenas prazer e conforto.


Provérbios para hoje:

Discuta a frase: consumir de propósito ou consumir com propósito?


VIII. O princípio da poupança e do investimento


1. Visando tempos difíceis (Pv 30.25)

2. Para ter o que dar não somente aos seus filhos, mas também aos seus Netos (Pv 13.22; 19.14). Todavia, não guarde mais do que deve.

3. Deus nos administrará a Sua graça com generosidade, à medida que formos generosos (Pv 19.17; 22.9; 28.27; Lc 6.38).

Isso não significa distribuir dinheiro indiscriminadamente, para qualquer um que pede, mas “Informa-se o justo da causa dos pobres” (Pv 29.7).


Conclusão


David Livingstone afirmou: “Não darei valor a qualquer coisa que possua, a não ser à luz do relacionamento com o reino de Deus. Utilizarei tudo o que possuir para promover a glória daquele a quem devo toda a minha esperança no tempo e na eternidade.”


Provérbios para hoje:

Que o Espírito Santo nos oriente pelo labirinto confuso e caótico do nosso mundo, usando a bússola do livro de Provérbios!


Aplicações práticas

1. Faça uma avaliação da sua situação financeira hoje.

2. Verifique como você está ganhando e gastando os seus recursos.

3. Elabore um orçamento, mesmo que seja bem simples.


Autor da lição: Pr. Silas Arbolato da Cunha

Estudo publicado originalmente pela Editora Cristã Evangélica, na revista “Um Guia para Viver Bem”.


FONTE: Ultimato

Siga-nos:

  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Instagram Social Icon