Quem se importa com o Pastor?

November 22, 2018

 

Há alguns dias fui procurado por um colega pastor de uma grande Igreja que foi dispensado do pastorado. Perguntei o que havia acontecido. Ele respondeu:


- Nada. Cansei. A vida. A atração da gravidade. Pressão. Quando não nos consideram bem sucedidos simplesmente somos dispensados. Quando não somos dispensados, simplesmente as pessoas deixam de frequentar e mudam de Igreja. Ficamos sem ovelhas. 


Um dos graves problemas no ministério é viver em isolamento. Nós não gostaríamos, mas nos ocupamos demais, nos comprometemos demais, estendemos demais, competimos demais, criticamos demais, por isto ficamos exaustos e às vezes até entorpecidos. 


Os pastores em grande parte não têm amizades genuínas, camaradagem, koinonia e intimidade com outros pastores. Estamos perdendo os relacionamentos e cada vez mais nos isolamos.


Depois de alguns anos de ministério, muitos de nós desejamos apenas ir para casa e viciar-se no Netflix, nas redes sociais e se automedicar de alguma forma. Sem Bíblia, sem oração, sem prazer no Senhor, muito menos no convívio. A falta de ânimo para realizar atividades que envolvem relacionamentos e convívio é característico do depressivo.

 
Apesar de muita gente ainda não acreditar, a depressão é uma doença que está entre as 11 que mais acometem os brasileiros. No mundo, são 121 milhões de pessoas depressivas, 17 milhões somente no Brasil. Certamente entre eles muitos são pastores.


Jesus é nosso maior exemplo sobre como evitar o isolamento e cumprir o chamado. Porque ele escolheu os 12 apóstolos? “E ele nomeou 12 para ficarem com ele e depois então ele os enviaria para pregar” (Mc.3.14). Primeiro ficar, conviver, desenvolver relacionamentos, comunhão depois cumprir a missão.

 
Gostaria com humildade fazer algumas sugestões aos colegas para evitar o isolamento pastoral. 


1. Aprenda a orar a oração dos discípulos no caminho de Emaús: Fica conosco esta noite porque já se faz tarde. Convide o Senhor para ficar. Ele deseja ficar conosco. A maioria das vezes nós o dispensamos pelo excesso de trabalho e atividades.

 
2. Busque amigos. Busque não apenas conhecidos, mas realmente grandes amigos que respeitamos e admiramos e que nos entendem. Precisamos de amigos que estão lidando com o que estamos lidando e entendendo a pressão. Precisamos de amigos que provem por suas cicatrizes que andaram pelos caminhos onde andaremos e tenham as cicatrizes que prove esse caminhar. Amigos que nos desafiam e nos responsabilizam. “As pessoas aprendem umas com as outras, assim como o ferro afia o próprio ferro- Pv.27.17” 


3. Desenvolva amizades. Para desenvolver amizades você precisa de humildade sem humilhação, sinceridade sem sincerismo, sigilo sem pedido de oração publica, amabilidade sem infantilidade , cortesia sem chatice, constância sem insistência, espiritualidade sem pieguice, firmeza sem perder a ternura. 


Se você quiser ser amigo do seu pastor: Fale com ele, sem espiritualizar, sem dar recado, sem dar biblada, ou seja, sem dar versículo para cobrar. Não pregue para seu pastor. Não critique. Não elogie sem verdade. Ouça mais. Converse mais. Brinque mais. Se prometer orar, ore mesmo. 


 

 

Compartilhe
Please reload

Procurar por Tags
Please reload

Em Destaque
Please reload

Leitura Recomendada

Siga-nos:

  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Instagram Social Icon

Outros sites de Missões Nacionais

JUNTA DE MISSÕES NACIONAIS DA CBB
CNPJ: 33.574.617/0001-70
IE: 85.636.634
R. José Higino, 416 - Prédio 18 
Tijuca - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20270-972
Cx Postal: 13363
CONTAS PARA DEPÓSITO:
Bradesco - AG 226-7 / CC 87500-7
Banco do Brasil - AG 093-0 / CC 20275-4
Santander - AG 4362 / CC 130001420; 
Caixa E.Federal - AG 1411-0 / CC 138-6 
Itaú - AG 0281 / CC 66341-9

© JUNTA DE MISSÕES NACIONAIS DA CONVENÇÃO BATISTA BRASILEIRA. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS