11 bons hábitos de gestão, liderança e relações humanas

November 7, 2018

 

1. Estabeleça metas e trabalhe para atingi-las! 

 

Assim como monitoramos o velocímetro de um veículo para acompanhar a sua velocidade, também um gestor deve focar o acompanhamento de indicadores de desempenho para acompanhar a eficiência dos processos. Portanto, defina uma meta, trabalhe intensamente para chegar lá, e acompanhe com a freqüência necessária os resultados alcançados. Eu chamo isso de círculo virtuoso do sucesso.


Não somente você, mas toda sua equipe deve saber exatamente quais são as metas da organização, quais são as metas do departamento, e quais são as suas metas individuais. Ao estabelecer metas, faça-o através de um processo em que haja participação e engajamento da equipe. Depois, crie mecanismos para monitorá-las e avaliar os resultados, e, para índices abaixo da meta, ações corretivas devem ser implementadas.


Se quisermos melhorar algo numa área, TODOS devem estar engajados, alguns em determinado nível, outros, noutro. Mas todos devem ter o conhecimento necessário.

 

2. Esteja preparado para as mudanças!

 

Costumo dizer que nem toda mudança gera melhoria, mas não há melhoria sem mudança. É isto que as Organizações demandam hoje em dia: mudança, melhoria e inovação. Lembre-se também de que, ou você muda, ou seu chefe pode mudar você! Tenha em mente que a mudança poderá gerar um desconforto inicial nas pessoas, mas quem souber enxergar longe poderá transformá-lo em ação e realizações. Já quem for mais limitado, poderá acabar transformando esse desconforto em resistência. Para você ser útil nas Organizações de hoje e das próximas décadas, esteja preparado para as mudanças.

 

A velocidade das mudanças não tende a diminuir no futuro, ao contrário, a concorrência entre as empresas e a tecnologia só tende a fazê-la aumentar nos próximos anos. O acionista, inclusive, está cada vez mais informado sobre o que ocorre na Organização, e cada vez mais exigente em relação a resultados. Portanto, você, que quer abrir portas e descobrir oportunidades, mostre-se sempre pronto para as mudanças. E, quando elas aparecerem, contribua verdadeiramente para que elas se realizem com sucesso. Esse é o caminho!

 

3. Solucione problemas!

 

Vejamos primeiro, então, a sequência natural de pensamentos que devemos seguir ao analisar um problema. Você pode utilizá-la na solução de qualquer tipo de problema:


a) Descreva qual é o problema
b) Descreva as possíveis causas dos problemas
c) Relacione as possíveis soluções para o problema
d) Escolha a melhor solução
e) Aja, execute as ações necessárias


Mas lembre-se de que todo problema tem uma causa, e um efeito. Portanto, não basta tratar somente a “causa” do problema, já que o mais das vezes, você precisará tratar também (e antes de qualquer coisa) o “efeito” do problema, ou seja, “apagar o incêndio”.

 

4. Exponha uma opinião contrária de modo inteligente!

 

Quando nos deparamos com a situação em que precisamos expor nossa opinião, e esta é contrária a da outra pessoa, precisamos usar de inteligência e habilidade, pois não queremos apenas dizer o que pensamos, pura e simplesmente, queremos que a outra pessoa realmente entenda o nosso ponto de vista. Sendo assim, uma técnica que podemos utilizar é a de expor a opinião contrária com uma evidência em primeiro lugar. Veja a seguir os passos que podemos seguir:

 

a) Repita o que a pessoa disse
b) Exponha um fato alinhado com sua opinião
c) Por último, dê sua opinião

 

Isto ajudará você a expor sua opinião de forma cortês e inteligente, evitando ser omisso ou ausente, e procurando fazer com que a outra pessoa entenda seu ponto de vista. A evidência que você estiver utilizando vai validar a sua resposta.

 

5. Saiba conviver com as críticas!

 

Lembre-se de que algumas críticas podem ser úteis sob algum aspecto, desde que sejam realmente sinceras e razoáveis. E quando for assim, é positivo, pois nos permite melhorar.


Quando as críticas forem injustas, não se incomode, pois, às vezes, existe um elogio escondido por trás disso. Não raro, as pessoas criticam como forma de defesa, porque, de algum modo, sentem-se ameaçadas por você. Mesmo que a ameaça seja representada pela competência de seu trabalho, ainda assim é visto como uma ameaça pela outra pessoa.


De todo modo, sempre faça uma análise criteriosa sobre o fundamento da crítica e o seu conteúdo, procure entendê-la e entender o seu contexto também. O importante é que você entenda que a crítica vai sempre representar a percepção de alguém. Portanto, fundamentada ou não, a crítica indicará uma suposta percepção de alguém sobre você. Preste atenção em especial às críticas das pessoas a quem você tem consideração especial, respeito ou admiração. Atenção, esta lista deve, necessariamente, incluir seu chefe!

 

6. Dê bons exemplos!

 

Este é um excelente hábito de liderança. Fortalece seu discurso e facilita seu trabalho. Você precisa dar o exemplo para, então, poder cobrar melhores resultados e atitudes de sua equipe. O que não se pode fazer é: pedir que não tragam cafezinho para a reunião, quando você é o primeiro que o traz. Se você pede que seu colaborador organize sua mesa de trabalho, você, primeiro, deve organizar a sua.


Porém, não se pode esquecer que um gestor ou líder, por força de suas responsabilidades, pode, eventualmente, gozar do benefício da exceção. É perfeitamente compreensível que você tenha horários diferentes dos de sua equipe ou colegas. Isto não quer dizer que você, chegando mais tarde um dia (porque ficou até tarde no dia anterior, ou porque chegou de viagem na noite no dia anterior), não possa cobrar o cumprimento dos horários de sua equipe.

 

7. Não se envolva com fofocas!

 

Este é um excelente hábito de relações humanas, porque quem dá ouvido a fofocas, hoje, pode ser o tema da fofoca de amanhã. Nos ambientes empresariais, como em outros, existe a perversa prática da fofoca. Normalmente disseminadas por pessoas sem muita atividade, sem ter o que fazer, ou não muito escrupulosas. Infelizmente, há pessoas que tem o hábito de fofocar, e, nesses casos, é quase que parte do “ser” da pessoa, e muitas vezes ela nem percebe o quanto pernicioso é esse hábito. Isto existe tanto nos ambientes empresariais grandes, como nos pequenos, sem distinção. O remédio é não se envolver com elas. Se você se afasta de fofocas, torna-o, de certa forma, imune a elas. Ignorar certos comentários pode ser a melhor resposta. Tome alguns cuidados básicos em relação à fofoca:


a) Cuide com quem for falar sobre seus problemas pessoais ou mesmo dificuldades enfrentadas no trabalho;


b) Quando for se referir à empresa, ou à algum colega, sempre prefira enaltecer seus pontos fortes, evite qualquer tipo de crítica. Você não imagina com que velocidade um comentário desairoso seu, em relação à Organização ou a alguém, vai percorrer as salas da Organização;


c) Cuide para não acreditar em tudo que houve, e resista à tentação de sair tirando satisfação sobre tudo que houve. Se houver real necessidade de tirar algo a limpo, faça-o em particular.


A grande verdade é que as pessoas não são cegas dentro de uma Organização. Todos vêem o trabalho que é feito por cada um, todos vêem a maneira de ser de cada um, e todos vêem o comprometimento de cada um. Portanto a sua melhor arma contra as fofocas é a sua postura. Cuide da sua imagem para que ela seja ética, transparente e séria, e transpareça exatamente isso. Lembre-se do ditado: ”Não basta ser, é preciso parecer”.

 

8. Comemore as suas vitórias!

 

Comemore as suas vitórias e as da sua equipe de trabalho. Diz o ditado: “Quem não comemora suas vitórias, não merece tê-las”. Comemorar faz bem, é motivador saber que um trabalho (ou um determinado resultado) foi reconhecido e comemorado. Isto anima sua equipe. A comemoração pode ser simplesmente bater uma foto para registrar o momento, ou reunir o grupo e dizer: Bom trabalho, e bater palmas para a equipe! Ou, mais elaboradamente, reunir as pessoas num restaurante para almoçar ou jantar, ou, ainda, divulgar o feito no jornal interno da Organização. Escolha a melhor forma para comemorar, e isso pode depender da sua equipe e do tamanho dela, mas comemore! Isto motiva o time e mostra que você sabe, como líder, reconhecer o atingimento dos resultados.


Numa Organização em que trabalhei, era comum fotografarmos todas as marcas de produção significativas. Reuníamo-nos em torno do produto, fotografávamos a nós todos, e eu falava da importância do trabalho da equipe no atingimento daquele objetivo. Registrávamos e comemorávamos os embarques importantes, números (volumes) de produção significativos, prêmios recebidos, certificações atingidas, etc. Algumas vezes íamos almoçar fora da empresa, com o mesmo objetivo. Isso fazia com que todos entendessem a importância dos objetivos atingidos, assim como a importância dos próximos objetivos a atingir. A equipe era motivada, comprometida e altamente
disposta a abraçar novos desafios!

 

9. Assuma seus erros!

 

Se errar, assuma de imediato! E, paciência, pois o erro já foi feito. Assuma o erro, e faça isso antes que outros apontem seu erro. Procure ver que isto serviu para um aprendizado, e que, muito provavelmente, houve um ganho em algum aspecto; talvez evitando erros futuros muito maiores e de conseqüências mais graves. Agindo assim, você será visto como alguém confiável!


Esconder um erro pode ser fatal para sua carreira. Você perde toda sua credibilidade dentro da Organização. Ao contrário, admitir o erro de imediato soa positivamente. Mas procure mostrar que providências estão sendo tomadas para a correção do erro ou sua contemporização.

 

Você conhece pessoas que tem por hábito atribuir o erro sempre aos outros? Mesmo que ela entenda que foi a responsável pelo erro, tenta encontrar alguém que supostamente foi o culpado por fazê-la errar. Isto é lamentável. Quando você tiver que entender quem na sua equipe errou, deixe claro que você quer analisar o “erro” e as causas do erro. Portanto, você não procura por culpados, mas por responsáveis, pois só assim é possível obter o pleno entendimento do que aconteceu e tomar ações para que o erro não se repita.

 

Acima de tudo, o seu exemplo é fundamental. Ao errar, assuma imediatamente, procurando as melhores alternativas para corrigir seu erro!

 

10. Busque constantemente o autodesenvolvimento!

 

Aperfeiçoe-se diariamente. Faça cursos de pós-graduação, extensão e aprimoramento. Mantenha-se atualizado em relação às técnicas e novidades em sua área de atuação. Negocie sempre com seu chefe e com a área de recursos humanos da Organização, contratação de cursos e, se for o caso, invista você mesmo em você.

 

O importante é estar sempre absorvendo informações novas, estar sempre buscando entender atividades, processos e procedimentos relacionados ao seu trabalho. Pergunte ao colega de outra área o que ele faz. Você vai ficar surpreso como ele vai se interessar em lhe contar detalhes de sua atividade. Esta é uma boa maneira de você conhecer mais sobre o mecanismo empresarial e os fluxos corporativos. Você precisa, e isto sim ainda é um diferencial, ter uma visão geral e holística da Organização e de seus processos. O que tenho visto, na maioria das vezes nas Organizações, é que as pessoas conhecem os processos relacionados às suas áreas e, muitas vezes, pela falta da visão do todo, oportunidades são perdidas, ou boas soluções podem deixar de ser aplicadas.

 

Lembre-se do que disse Leonardo da Vinci: “Aprender é a única coisa de que a mente nunca se cansa, nunca tem medo e nunca se arrepende.”

 

11. Delegue autoridade!

 

Dê espaço para os membros de sua equipe tomarem decisão e agirem (dentro de determinados limites), coisa que os americanos chamam de empowerment. Delegue autoridade. Isto torna seu trabalho mais eficiente e também mais fácil. Não se sinta desconfortável por não conhecer em detalhes tudo o que os membros da equipe estão fazendo, só os inseguros querem saber tudo.


Para delegar autoridade, passe determinadas funções para membros de sua equipe, sempre buscando otimizar o trabalho. Delegação de autoridade deve ter o propósito de, além de motivar a equipe, encontrar realmente meios mais eficientes de execução da atividade. A delegação de autoridade deve facilitar o trabalho. Mas lembre-se de que, delegar autoridade sempre caminha junto com a delegação de responsabilidade. Quanto mais autoridade você tem, também mais responsabilidade terá, e nem todos gostam disso.


Vimos em outro capítulo, como é importante você tomar decisões no tocante a questões onde você deve ser necessariamente envolvido. Tomar decisão, de forma firme e ponderada, é extremamente importante. Mas, de uma forma balanceada, várias decisões terão de ser tomadas por membros de sua equipe, pertinentemente aos processos de trabalho de cada um. Para que isso ocorra de forma adequada, deve haver uma delegação de autoridade e de poder na medida certa, para que seus liderados consigam agir e ter sucesso. Quanto mais clara e bem definida seja a delegação, melhores serão os resultados.

 

 

 

Fonte: VARGAS, RODRIGO. 52 bons hábitos de gestão, liderança e relações humanas - para você incorporar ao seu trabalho.

Compartilhe
Please reload

Procurar por Tags
Please reload

Em Destaque
Please reload

Leitura Recomendada

Siga-nos:

  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Instagram Social Icon

Outros sites de Missões Nacionais

JUNTA DE MISSÕES NACIONAIS DA CBB
CNPJ: 33.574.617/0001-70
IE: 85.636.634
R. José Higino, 416 - Prédio 18 
Tijuca - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20270-972
Cx Postal: 13363
CONTAS PARA DEPÓSITO:
Bradesco - AG 226-7 / CC 87500-7
Banco do Brasil - AG 093-0 / CC 20275-4
Santander - AG 4362 / CC 130001420; 
Caixa E.Federal - AG 1411-0 / CC 138-6 
Itaú - AG 0281 / CC 66341-9

© JUNTA DE MISSÕES NACIONAIS DA CONVENÇÃO BATISTA BRASILEIRA. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS